sábado, 20 de fevereiro de 2010

Cyclophonica prevista para este Domingo 21/02/10

Previsto para dia 21/02/2010, TV Brasil, 15:00 horas

A Cyclophonica , no seu projeto que reúne Música, Ciclismo Urbano, Música e Esportes de Competição, será assunto da reportagem especial do programa STADIUM da TVBrasil.
Toda a reportagem foi feita no belíssimo cenário do Parque do Flamengo, tendo o Pão de Açúcar e o Morro da Urca como cenários.
A produção é de Ívina Caetano com o reporter desportivo Juliano Lima e a luxuosa câmera de Itaporan.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Cyclophonica no Olhar Virtual- UFRJ

http://www.olharvirtual.ufrj.br/2006/?id_edicao=210&codigo=3


Cyclophonica: música e ciclismo

Raquel Gonzalez

imagem ponto de vistaUma orquestra sobre duas rodas. Assim, pode-se definir a Cyclophonica, modalidade artístico-desportiva que une música, ciclismo, paisagem sonora e urbanismo. Um tanto inusitado, o projeto foi idealizado pelo oboísta profissional, engenheiro e professor da Escola de Música (EM/UFRJ) Leonardo Fuks como forma de integrar a pesquisa sonora, a construção de instrumentos, a performance musical e o esporte de maneira divertida e educativa. A performance é feita de maneira interativa com os barulhos urbanos e é centrada na improvisação e experimentação sonora. A orquestra conta ainda com o Manifesto Cyclophonico, produzido por Fuks em 1999.

Formada desde 1998, a Cyclophonica conta atualmente com 8 multidisciplinares músicos-ciclistas, são eles: Leo Fuks, Sérgio Magalhães (flautista, saxofonista, artista plástico e funcionário da Fiocruz), Manuela Marinho (cavaquinista, professora de música), Leandro Soares (trompetista, professor da EM), Cosme Silveira (fagotista da Orquestra Sinfônica Nacional), Denise Padilha (atriz e cantora), Sérgio Naidin (percussionista da Orquestra do Teatro Municipal do Rio) e Sheyla Zaguri (professora de piano e percepção da EM).

A Cyclophonica fará uma apresentação, dia 13 de julho, no Festival de Inverno de Petrópolis, e o Olhar Virtual conversou com o professor Leonardo Fuks para inteirar melhor a comunidade acadêmica sobre o projeto, entender como funciona essa iniciativa e saber como será a participação no festival.

Olhar Virtual: Como surgiu a idéia para a Cyclophonica?

Aprendi a andar de bicicleta mais ou menos na época em que comecei a estudar Música, aos 6 anos de idade. Paralelamente à música, me formei em Engenharia Mecânica na UFRJ nos anos 80. Toquei em diversas orquestras do Rio de Janeiro, Curitiba e na Suécia, usando freqüentemente a bicicleta para ir e voltar aos ensaios e concertos; não seria surpreendente se pensasse algum dia em tocar sobre uma bicicleta.

E isto aconteceu em Estocolmo, em 1997, quando eu semanalmente percorria mais de 20 km para chegar até a sede da Orquestra de Nacka, onde tocava como primeiro oboísta. Num fim de tarde de muita neve, desejei saber da possibilidade de controlar um instrumento musical em movimento, e quais instrumentos seriam apropriados para este “feito”. Outra dúvida se referia à possibilidade ou não de acelerar a bicicleta e desacelerar a música, por exemplo, de maneira independente.

Após diversas leituras, exercícios e experimentos práticos no estacionamento da universidade, constatei que era, sim, possível tocar uma boa quantidade de instrumentos enquanto pedalava e que era possível atingir completa independência entre os ritmos de pedaladas e de execução musical. Com estas comprovações tão animadoras, o caminho natural seria o de constituir um grupo de músicos ciclistas para desenvolver esta nova atividade, o que fiz após retornar ao Brasil, em 1999, e criar a Cyclophonica Orquestra de Câmara de Bicicletas com diversos amigos músicos profissionais que também tinham o hábito de rodar a cidade sobre duas rodas.

Olhar Virtual: Como funciona o projeto? Qual o seu propósito?

Os princípios básicos do projeto incluem tocar preferencialmente em movimento, experimentando instrumentos tradicionais adaptados e instrumentos novos. Buscamos incluir todo tipo de música – étnica, clássica ou popular – e escolhemos temas bem sintéticos que possam sensibilizar o público, ainda que nos escutem de passagem por alguns segundos apenas. Fazemos arranjos geralmente cíclicos e de fácil memorização, tanto pelo público quanto pelos músicos que tocam tudo de cor. E, quando paramos, costumamos explorar os sons da própria bicicleta, que permite a geração de diversos efeitos interessantes.

Nós não temos, nem poderíamos ter um regente. Portanto, os músicos-ciclistas devem desenvolver uma habilidade de tocar em conjunto de maneira autônoma, sem mesmo olhar nos olhos dos colegas. Isto exige atenção e controle superiores àqueles requeridos em música de câmara e no uso regular da bicicleta. Devo dizer que nunca causamos acidentes com as bicicletas, até porque os pedestres e os outros elementos do trânsito imediatamente notam nossa presença.

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, os carros não são sequer obrigados a possuir buzinas. As bicicletas, no entanto, devem necessariamente incluir uma “campainha”. Esta campainha pode ser entendida como um instrumento “obligatto” em cada bicicleta. Se combinarmos este instrumento obrigatório com o alto grau de liberdade no movimento e na produção sonora, estaremos reconhecendo que qualquer grupo de bicicletas é uma Cyclophonica em potencial.

Um propósito de nosso projeto é o de mostrar que tocar música pode ser simples como andar de bicicleta, mas requer aprendizado, prática, atenção, percepção e, sobretudo, um senso de coletividade. Diversos membros do grupo são professores de instrumento e educadores musicais. A Cyclophonica serve como um museu ambulante de instrumentos e, ao final dos concertos, geralmente temos muitas pessoas de todas as idades interessadas nos nossos instrumentos e acabam testando-os e dando voltas com nossas bicicletas. Isto ajuda a despertar o interesse pelo aprendizado da música.

Olhar Virtual: Qual a relevância de projetos como esse?

A arte necessita de constante renovação e cabe ao músico buscar novas maneiras de tocar, expandir seus repertórios e chegar a um público crescente. Acredito que a Cyclophonica atinja essas metas, pois estabelece uma relação especial entre os músicos e seu público, explora novos instrumentos e técnicas, investe na produção e adaptação de novas obras e consegue atingir um público muito amplo. E consegue isso graças à mobilidade, à excentricidade da idéia e à simpatia que quase todos demonstram em relação à bicicleta e à música.

Outro aspecto relevante é que a Cyclophonica pode servir como um importante aliado na educação do trânsito, pois buscamos agir de maneira ética e em total conformidade com o código de trânsito. Isto é necessário, pois nos relacionamos como os pedestres, motos, bicicletas e toda a sorte de veículos motorizados. As regras e conceitos básicos do ciclismo são desconhecidos pela maioria da população. Entendemos que toda criança deveria ter aulas de ciclismo na escola, com parte do currículo de Educação Física. Isto preveniria inúmeros acidentes e salvaria muitas vidas.

Olhar Virtual: Como será a participação no Festival de Inverno de Petrópolis?

Fomos convidados pelos organizadores do Festival para tocar no último dia, 13 de julho, fazendo um passeio ciclístico-musical ao longo de uma das áreas mais bonitas e tradicionais da cidade, a avenida Koeller. Os ciclistas e músicos da cidade se juntarão a nós e receberão alguns instrumentos simples, como apitos, pequenas percussões e buzinas.

Olhar Virtual: Quais os principais eventos de que a Cyclophonica participa e já participou?

Já participamos da Bienal de Música Contemporânea de 2001 como artistas convidados, tocamos em aniversários de diversas cidades fluminenses e no de São Paulo. Fomos convidados para o grande Festival América do Sul, em Corumbá (2006) e realizamos o primeiro show brasileiro em território boliviano, cidade de Puerto Soarez, logo após a crise entre os dois países em decorrência da nacionalização das refinarias da Petrobrás. Em 2002, realizei uma Cyclophonica na universidade americana de Frostburg, Mariland, com alunos de música, e fomos noticiados em todo o mundo. Em 2004, ministrei uma palestra sobre a Cyclophonica no Japão e realizei uma performance em Nagoya com percussionistas locais. Em 2007, tocamos no Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens, no Rio de Janeiro, e realizamos uma turnê pelos três estados do sul. Já realizamos mais de 100 concertos e passeios ciclísticos nestes últimos anos e deveremos participar neste ano de um festival nacional de cinema, em Goiás, onde estrearemos uma obra que interage com dezenas de trechos de filmes que combinem bicicletas e música.

Olhar Virtual: Como são feitos os ensaios da orquestra?

Tentamos realizar ensaios diferenciados, em que possamos desenvolver e escolher a instrumentação, definir os arranjos, ensaiar sem as bicicletas e finalmente ensaiar com as bicicletas. Esta é a parte mais difícil de nosso trabalho, pois não seria suficiente ensaiarmos uma obra estando parados.

Olhar Virtual: Como foi a adaptação dos instrumentos musicais para o uso concomitante ao ciclismo?

Além de professor de acústica musical, desenvolvo instrumentos de sopro profissionais e outros destinados à educação musical. Além disso, ensino a disciplina “Construção de instrumentos musicais” há alguns anos, o que me dá boa experiência para criar novos instrumentos e de adaptar instrumentos convencionais à Cyclophonica. Atualmente estou ocupado em adequar o tradicional órgão de boca chinês, Sheng à bicicleta, mediante o uso de tubos plásticos para o controle e acionamento do instrumento milenar. Até mesmo os celulares dos membros do grupo, que costumavam tocar de forma indesejável durante ensaios e apresentações, foram utilizados musicalmente e acabaram dando origem a outro projeto de minha autoria, a Cellphonica Orquestra de Celulares, com alguns músicos da Cyclophonica.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Cyclophonica na TV Brasil- Stadium


A Cyclophonica , no seu projeto que reúne Música, Ciclismo Urbano, Música e Esportes de Competição, foi assunto da reportagem especial do programa STADIUM da TVBrasil.
Toda a reportagem foi feita no belíssimo cenário do Parque do Flamengo, tendo o Pão de Açúcar e o Morro da Urca como cenários.
A produção é de Ívina Caetano com o reporter desportivo Juliano Lima e a luxuosa câmera de Itaporan.
VEJA AQUI O VIDEO !!!!

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Maracanã: de Hipódromo a Estádio de Futebol




Alguns nos perguntam
o porque das voltas em torno do Maraca para comemorar seus 60 anos.

Eu respondo com facilidade: dar voltas em torno de algo, sobretudo com Música, é celebrar um rito de passagem, ou de ultrapassagem, no nosso caso Cyclophonico.
É quase uma cerimônia aborígene, em que o indígena Rio Maracanã (que em tupi significa um psitacídeo da família dos papagaios) é redespertado nos seu sons originais e milenares.
Alguns textos e referências mencionam que Maracanã significaria em tupi-gurani "semelhante a um chocalho", o que parece ser um enorme equívoco, sugerindo que o chocalho se chamasse "Maraca" (como no Caribe) aqui em nossas terras. Ainda assim , este provável engano é muito simpático e sugestivo...

Outra resposta simples
: o Maracanã era o Hipódromo do Rio de Janeiro !!! E nós da Cyclophonica, montados em bicicletas, nos tornamos os jóckeys pós-modernos (e os próprios animais de montaria) sobre o mesmo terreno em que os cavalos corriam sonoramente há mais de século.



Esta foto de 1910, portanto de exatamente cem anos passados, mostra o majestoso Derby Club, bem no terreno do Maracanã, inaugurado em 1885, que era o antigo hipódromo do Rio de Janeiro.
Em 1926 foi inaugurado o hipódromo da Gávea, de frente ao Jardim Botânico, quando o Derby começou a ser desativado. Na segunda metade da década de 40, deu lugar as construções de um estádio que iria sediar a Copa do Mundo de 1950.


Foto atual do Maracanã, em ponto de vista equivalente à foto acima

Fotos da construção do Maracanã, 1950


O Estádio do Maracanã foi inaugurado em 16 de junho de 1950, num jogo entre uma seleção combinada paulista e uma carioca, com o gol inaugural do carioca Didi.
Ironicamente, os paulistas venceram por 2 a 1...

Em 16 de julho de 1950, exatamente um mês após a sua inauguração, o Brasil perdia por 2 a 1 do Uruguai, que levou a taça de ouro, a Copa do Mundo de 1950. Foi o inesquecível "Maracanaço"...


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Demos a Volta Cyclophonica em torno do Maraca!!

Foi um sucesso total nossa Primeira Volta Cyclophonica em Torno do Maraca, em dia de FlaFlu, o primeiro da década de dez.
Começamos a volta às 16:45h e terminamos às 17:50h.
Esta volta foi feita em parceria com o SESC-Rio, e tivemos o apoio logístico da SUDERJ e do Metrô-Rio.

O video documentando a chegada de metrô , o preparação e aquecimento no Portão 13




http://www.youtube.com/watch?v=4_8-hHaXlqw

Seguem algumas fotos do evento tão festivo quanto pacífico.



Este é o Claudionor dos Santos, atleta paraolímpico de triciclo, que participou desta volta com a gente, com apoio do Metrô-Rio. Ele tocou agogôs e apitos.


Vamos iniciar a Volta Cyclophonica!

Dando voltas em torno da estátua do Bellini, tocando Prá-Frente Brasil e Que Bonito É !!



Esta na frente é a Maira Freitas, nova aquisição do grupo, maravilhosa!


Continuando nossa volta cyclophonica em torno do Maraca


Acertando os detalhes da volta



Tocando na pracinha próxima à rampa da Radial Oeste



O Anderson Fortuna, craque de bola, nos deu a honra de participar, acompanhando o grupo em toda a volta e dando mais de mil embaixadinhas, além de jogar com torcedores

Retornando da Volta completa, à frente do Portão 13, nosso ponto de partida!


Preparados para partir, uma foto do grupo, sendo que o triciclista Claudionor já estava na pista, preparado para os dois km de som, público e paisagem


sábado, 30 de janeiro de 2010

Neste Domingão tem FlaFlu e tem também a Cyclophonica em torno do Maraca !!!






A Cyclophonica - Orquestra de Câmara de Bicicletas- tocará neste Domingo de FlaFlu em torno do Maracanã, como parte das comemorações do aniversário do estádio sexagenério.
Os músicos, que tocam sempre montados e em movimento sobre bicicletas, chegarão de Metrô ao estádio e tocarão das 16:30h às 17:30h na ciclovia que circunda o Maraca.
O jogo será às 19:30h.
O evento tem apoio da Suderj, SESC , MetrôRio e da Pedal2 (oficina de bicicleta e cicloturismo).

Pedal 2 - http://oficinadebicicleta.wordpress.com/
Seguem mais informações abaixo.


==========
Cyclophonica em torno do Maracanã
primeira volta de 31/01/2010, dia de FlaFlu
Das 16:30h às 17:30h, ciclovia do Maracanã


A Cyclophonica Orquesta de Câmara de Bicicletas está promovendo
uma série de eventos para este ano de Copa, que serão voltas musicais-desportivas em torno do Estádio do Maracanã que completa 60 anos em junho de 2010, fechará em seguida e passará por um processo de "rejuvenescimento" para a copa de 2014 e olimpíadas de 2016.

A programação artística em torno do Maracanã consistirá principalmente na
execução de obras adaptadas, sobretudo a partir dos temas "Cadência do
Samba/ Que Bonito É" (música do histórico Canal 100) e o histórico " Prá Frente Brasil-
90 Milhões em Ação" , com o uso de mais de 20 instrumentos e da famosa corneta Vuvuzela (dos estádios da África do Sul).
Diversos destes instrumentos estão sendo especialmente desenvolvidos com a temática do futebol.

A primeira volta, em parceria com o SESC e com o apoio do MetrôRio, será realizada em 31 de janeiro de
2010, dia de Fla Flu,
entre as 16:30 h e 17:30h , ciclovia do Maracanã
. Será o primeiro clássico do Maracanã desta década, que terá o apito de início às 19:30h.

Os músicos Cyclophonistas e suas bicicletas chegarão de metrô ao Estádio Mário Filho e farão a perfomance na ciclovia do Maracanã,
com extensão de aproximadamente 2000 metros.
++++++++++

CYCLOPHONICA ORQUESTRA DE CÂMARA DE BICICLETAS
Idealizada por Leonardo Fuks, phD em Acústica Musical e professor da
Escola de Música da UFRJ , a Cyclophonica é o primeiro grupo profissional
do mundo a fazer música clássica e popular em cima de bicicletas. Sinos,
flautas, trombones, clarinete, tambores, cítara e até um didgeridoo, dentre
mais de vinte instrumentos, fazem parte do arsenal dos músicos.

Os oito músicos da Cyclophonica atuam em orquestras
sinfônicas, big bands, grupos de choro, mpb e jazz e também como professores em escolas de ensino fundamental e universitário.
Os instrumentos são tocados sempre em movimento e o público, ciclista ou
pedestre, é encorajado a participar musicalmente dos eventos em parques,
praças, praias, quadras desportivas e outros espaços.
++++++++++++=


Leonardo Fuks e As Vuvuzelas no GloboEsporte, 2009

http://www.youtube.com/watch?v=XUKYoNlB_Nc

Esta reportagem de 7/12/2009 na TV Brasil sobre a participação da
Cyclophonica e outros grupos no evento Tô no Clima

http://tvbrasil.ebc.com.br/reporterbrasil/video/1016/

no youtube:
http://br.youtube.com/watch?v=Vl2UBNOOUD4
Cyclophonica PERFORMING Programa do JÔ

http://br.youtube.com/watch?v=98TQfhe6j-k
Univision American TV Channel Interview

http://br.youtube.com/watch?v=9J2vHYjGBcM
Cyclophonica as a Character in the Film ON WHEELS, by Sergio Bloch

http://br.youtube..com/watch?v=9lWrM_pbJKE
Cyclophonica plays at MAC Niteroi - Mussorgsky

http://br.youtube.com/watch?v=nUb17fAJutI
Fuks e Cyclophonica com Ana Maria Braga

http://br.youtube.com/watch?v=Y5zDScuTiig
Cyclophonica Entrevistada no Programa do Jô parte I

http://br.youtube.com/watch?v=Sf8XhaUxPgk
Cyclophonica Entrevistada no Programa do Jô parte II

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Fui ao Maraca de Metrô com minha Bike - 10/01/10

A Cyclophonica está empolgadíssima com o projeto " Volta Cyclophonica ao Maracanã - 2010" , que consiste em voltas musicais em torno do Maracanã, em dias de jogos, terminando dentro do estádio, tocando músicas do maravilhoso mundo do futebol e sobre a nossa cidade.
Para isto, ainda estamos à "voltas" com pedidos de autorização da prefeitura e da SUDERJ, que havemos de obter logo, logo, pois todas as autoridades se mostram super simpáticas a nossa proposta.
Pretendemos fazer nossa volta de estreia no FlaFlu de 31/1/2010, o primeiro clássico da década de DEZ !
Como sabem, o Metro Rio agora transporta bicicletas aos sábados (a partir das 14h) e aos domingos, em toda sua rede, incluindo os ônibus.
Para conferir e fazer uma visita completa a nosso futuro palco, saí neste domingo 10/01 com minha bicicleta e fui ao ponto do ônibus do Metrô (ABBR-Jardim Botânico), lá chegando à 17:20h, onde o ônibus já me esperava.
Conversei com o educadíssimo motorista que me admitiu pela porta de trás, coloquei a bicicleta no lugar das cadeiras de rodas (que estavam desocupado, claro). Usei meu Cartão pré-pago, rodamos a catraca, e fui tudo que paguei , R$ 2,80, para chegar até o Maraca.

Cheguei na Estação Botafogo, desci as escadas com minha bike, entrei no trem e fui até o Estácio. A foto abaixo foi de quando passei pela porteira da estação de Botafogo. O funcionário não quis ser fotografado, mas foi muito atencioso.
Os trens diretos para a Pavuna, que param no Maracanã, correm nos dias de semana, por enquanto. Informaram que funcionarão todos os dias só a partir de março.


Fui para o último vagão, última porta, e lá entrei, dividindo meu espaço com os passageiros regulares e 2 outros ciclistas. Eram 17:40h.

Cheguei no Estácio, conduzi minha bicicleta no imenso fluxo para a linha 2 e peguei novo trem, também com ar-condicionado, saindo duas estações adiante (Estácio,São Cristóvão, Maracanã!).

Dia sem jogo, estação vazia.

Subi as escadas, e lá estava o grande Estádio Mario Filho!! Eram 18:20h























Empolgado com a chegada pela primeira vez ao Maraca de bicicleta, desci a rampa, segurando a câmera com uma mão, o guidão na outra e usando meu freio contrapedal, para garantir!



video



Fiz minhas voltinhas, a ciclovia do Maracanã tem quase 2000 metros, dá para pedalar tranquilo em 10-15 minutos, bem devagarinho e tocando nossos sucessos :)

Nesta praça redonda, lugar ótimo para uma performance.















Mais adiante, no portão 13, um bom bicicletário, onde pretendemos deixar as bikes, depois de tocarmos na pré-abertura do jogo, para assisitirmos a este primeiro FlaFlu da década de 2010.















Hora de voltar, entusiasmo mantido, será maravilhoso tocar em torno e dentro do Maraca!!!














Trens mais tranquilos ainda, cheguei no Estácio,



pequei o trem para a Zona Sul e saí em Ipanema!!
Se tudo der certo, estaremos todos tocando no dia 31/01/2010 na primeira "Volta Cyclophonica em Torno do Maracanã"